fbpx

Nunca subestime o poder da internet

Nunca subestime o poder da internet

CHEF: Uma simples comédia dramática ou algo a mais?

O filme conta a história do @ChefCarlCasper, um chefe famoso que perdeu o emprego, tem a sua imagem destruída e precisa recomeçar sua vida. Parecia uma boa opção para se divertir e não uma possibilidade de reviews, mas o filme aborda empreendedorismo, marketing digital e recomeço, então como não escrever sobre ele?

Para quem ainda não viu, confira uma breve sinopse e uma dica: não assista esse filme com fome, pois o ponto de partida é a gastronomia, primeira paixão do personagem de Jon Favreau, Carl Casper, chefe de cozinha que dá nome ao filme.

 “Carl é o chef de um restaurante muito famoso de Los Angeles, mas volta e meia enfrenta problemas com o dono do local por querer inovar no cardápio. Um dia, um renomado crítico gastronômico vai ao restaurante e publica uma crítica bastante negativa. Furioso, Casper vai tirar satisfação com ele e acaba demitido. Pior, a briga vai parar na internet e se torna viral, o que lhe fecha as portas nos demais restaurantes. Sem saída, ele recebe a ajuda de sua ex-esposa para reiniciar a vida.”

Apesar de ter sido gravado em 2014, o filme aborda uma realidade atual do perfil empreendedor que é limitado pelos seus chefes, e que ao se deparar com a demissão fica perdido e se arrisca se tornando o próprio chefe. A diferença aqui é a internet!

Após a crítica e a repercussão que o personagem principal recebe pelas plataformas digitais e redes sociais, ele observa que um novo mundo está diante dele e com desafios de resoluções pouco claras. É aqui, então, que podemos começar a refletir sobre o poder da internet e perceber a dor que é possível gerar em pessoas através de um “simples twitter”, além de entender como isso muda bruscamente a vida de Carl.

- Como funciona?
  - É legal.
  - É assim que funciona, é legal?
  - Você manda tuítes.
  - É como mensagem de texto?
  - Não.
  - Inscreva-me.

Anthony, filho do protagonista, é o condutor das mudanças da carreira do pai, sendo o responsável por “modernizá-lo” através das redes sociais. Quando o chefe de cozinha se reinventa como cozinheiro de food truck e sai em viagem por algumas cidades dos EUA, o filme incorpora as características dos tradicionais road movies, como a resolução de problemas na estrada e a aproximação dos personagens no decorrer da viagem. E é nesse momento que o jogo começa a mudar.

 

Vamos refletir juntos sobre alguns aprendizados de vida e empreendedorismo no filme Chef:

  1. Busque sempre entender o funcionamento das mídias sociais

No início do filme Carl nem sabia o que era Twitter, ao criar uma conta e utilizá-la sem conhecimento, acaba provocando uma crise enorme que culmina na sua demissão e perda total de sua credibilidade. A diferença entre o total fracasso aqui é que a mesma internet que acabou com ele foi parcialmente responsável pelo seu retorno ao topo, pois foi através dela que ele mostrou seu novo trabalho ao público e “surfou na onda da internet viral”.

Uma importante lição é que precisamos saber nos comunicar com o público-alvo. No filme o canal foi o Twitter, mas existem outras mídias sociais para divulgar, que de tempos em tempos surgem com força total, e se você não estiver atento a elas aprendendo como usá-las, poderá perder muitas oportunidades.

Diferente do filme, na vida real, por mais que você tenha um filho ou amigo que saiba tudo de redes sociais, o ideal é profissionalizar essa comunicação, inclusive para não informar apenas, mas para atender o cliente que entra em contato, além de responder feedbacks, sobretudo as reclamações, quando houver.

 

  1. Aceite críticas e tire proveito da situação

É impossível agradar a todos e as críticas sempre virão, e por mais difícil que seja ouvir elas, acredite, é importante! Assim como no filme, é bem verdade que os críticos de jornais e revistas exageram, mas por que não tirar proveito para aprender e surpreender?

Especialmente quando as críticas são públicas e ocorrem pela internet, precisamos ter sempre em mente a resiliência. Acredito que durante esse processo de recuperação você não deve perder seu propósito e acabar caindo no caminho mais rápido. No filme vimos o papel da assessora de imprensa da ex-mulher de Carl que apresentou vários caminhos, inclusive o de participar de reality show, mas o personagem principal nunca esqueceu o significado do ato de cozinhar aplicado na vida dele.

 

  1. Faça as alianças estratégicas, pois a necessidade e a oportunidade sempre se encontram em algum momento

O que Carl precisava era tomar as rédeas da sua carreira e investir no que sabia e gostava de fazer: cozinhar, criar pratos e atender bem seus clientes, o resto foi consequência. Como disse anteriormente, saber ouvir as críticas e tirar proveito faz toda a diferença, e no filme a oportunidade sempre esteve ali batendo na porta, através de sua ex-esposa, mas ele não quis aceitá-la. Então veio a necessidade e a oportunidade de iniciar seu negócio que logo se tornou um grande sucesso e, para surpresa de todos, o maior arqui-inimigo do protagonista, ao reconhecer o potencial do negócio que o chefe havia criado, se oferece para investir no empreendimento e abrir um grande restaurante em sociedade. 

Aqui a lição é simples e clara! Não fique cego por receber críticas e esteja sempre atento às oportunidades que o mercado pode trazer, pois quando uma porta se fecha, muitas janelas ainda estão abertas e é você que precisa ver através delas.

 

  1. Trabalho, lazer e família, um pequeno time leal pode ser maior que um batalhão de funcionários

O trabalho te deixa insatisfeito? Hoje passamos a maior parte do dia focados em trabalhar deixando em segundo plano o lazer e a família, mas será que precisa ser sempre assim para alcançar sucesso? No filme vemos essa clássica situação onde Carl não consegue dar a devida atenção ao seu filho, que vivia com a mãe e só podia aproveitar pouco tempo ao lado do pai. De repente, a reviravolta que sofreu em sua vida foi a oportunidade não só para criar um negócio próprio, mas para se reaproximar do filho e viver uma nova história com ele, e até mesmo reconstruir um casamento.

Muitas vezes menosprezamos um parceiro leal, uma amizade ou relacionamentos, pois acreditamos que negócios não podem se misturar com laços familiares ou de amizade. Mas o que o empreendedor precisa entender é que a moeda sempre tem dois lados, muitas vezes negócios e família realmente não dão certo, mas em outras é a chave do sucesso. Você não precisa ter sociedade na empresa, mas você pode buscar ajuda e conselhos, assim como aceitar parcerias como um trunfo para seu negócio. Como no filme, o grande amigo e colega de trabalho do protagonista não foi a única pessoa leal a ele, você notará que sem as pessoas que estão em seu entorno, o talento não seria o suficiente.

 

  1. Fazer sempre do mesmo é não sair da zona de conforto, é não inovar! 

Se você é empreendedor e entrega sempre do mesmo jeito, nunca terá diferencial algum em seu negócio. Para todo tipo de produto ou serviço existe uma data de validade, mesmo que tenha sido uma grande inovação para o mercado, hoje pode não ser mais, e por isso, não deve ser vendido ainda como se fosse. É preciso estar sempre em mudança.

Mas tenha cuidado com o ego e a mania de grandeza, o personagem principal menosprezava a ideia de um dia trabalhar em trailer de comida, pois estava acostumado a trabalhar em grandes restaurantes e ser reconhecido como um grande chefe, isso parecia ser uma regressão na carreira, mesmo sendo podado pelo proprietário do restaurante.

Vendo essa situação, fica a pergunta: por que continuar dedicando seu tempo em um trabalho que não oferece a liberdade que você gostaria de ter para criar, experimentar e fazer coisas novas e fantásticas? Se você pensa além, mas seu chefe não, você está no lugar errado. Será que não chegou a hora de empreender?

Nenhum comentário encontrado.

Sorry, the comment form is closed at this time.